domingo, 6 de março de 2011

Um? Talvez, mas aos pedaços


De vivido assim dividido em meias dúvidas,
buscando saber quem eu sou, por inteiro eu sei:
metade de mim SOU,
a outra metade NÃO SEI.


Então,


Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece
e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
como a única coisa que resta
a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso
mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste,
e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
que eu me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade eu não sei o que serei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
e a outra metade, também."


Melodia:
Metade
(com Oswaldo Montenegro)

Letra:
http://letras.terra.com.br/oswaldo-montenegro/72954/

Música:
Oswaldo Montenegro - Metade - 3:09
http://www.youtube.com/watch?v=GLkQMFVg8V8



7 comentários:

pin gente disse...

este poema é fantástico

e, realmente, tudo depende do ponto de vista
a não ser talvez "o sol brilha para todos"

um abraço
luísa

Ma Ferreira disse...

Seguiundo sua sugestão..cá estou.. e me deparo com Oswaldo Montenegro.
Carismático por si só. Linda voz, lindo poeta, poeta lindo..rs
Este poema é lindo e daria comentário para cada uma frase colocada.
Porque ele fala da vida, do nosso EU, da dualidade que existe em cada um de nós, dos nossos anseios, de nossos medos, de nossas sombras.
Somos um pouco de cada coisa e o que prevalece é o que mais alimentarmos.
Que nosso instinto de preservação não nos impeça de enfrentar o medo. O medo só se acaba quando olharmos bem do olho dele e seguirmos em frente, acreditando em nossa força e em nossa capacidade.Um pouco de mim é o medo e muito de mim é coragem.


Ler o poema é uma coisa, mas ouvi-lo na voz do Oswaldo Montenegro, é tudo de bom..

Vou continuar o meu tour.. feliz..

Bj
Ma

Paula Moraes disse...

Olá, lindo poema e linda forma de recitar, adorei tudo.
Bjs

Cristiane disse...

Parabéns pelo Blog e pela escolha! Essa eu admiro, em paricular, porque metade de mim é amor e a outra também! :-)

SELIA disse...

Amo de paixão tudo que Oswaldo Montenegro faz, fui em um show dele na Concha Acústica do TCA,foi divino, se já era fã passei a ser super-fã..
Obrigada pela visita, amei..
beijos
Selia

SELIA disse...

Olá, boa noite!
Não acredito muito nesta estória, acho que tem outra razão, não sei, mas deve ser algo bem interessante, ou é puro charme para chamar a atenção.. Acertei né rss
Beijos
Selia

Arianne Carla disse...

Olá, tudo bem?
Sou redatora do blog Eppifania (http://eppifania.blogspot.com/) E ele está cheio de novidades. Resenhas blogueiras, dicas de livros, música e claro: Muito sentimento para os corações.

Passa lá? Já estou seguindo aqui para passar com calma mais tarde.
Retornamos depois de alguns meses desativado e contamos com sua presença para dicas, críticas, comentários e seguidores.